sidemenu-retrato-IAIS.png

Malta!

Bem-vindos ao I am Isabel Silva. Escrevo sobre a minha vida, os meus alimentos, as minhas corridas, o meu Caju. Espero que desfrutem.

Os IncríBeis já nasceram e eu quero muito que se juntem a mim no próximo encontro

Os IncríBeis já nasceram e eu quero muito que se juntem a mim no próximo encontro

Este não é o meu grupo de corrida. É o nosso. E vocês tornaram o dia 6 de outubro num dos mais bonitos da minha vida. Vejam as imagens desta manhã maravilhosa. Da próxima vez quero-vos lá comigo.

Dia 6 de Outubro vai ser sempre especial para mim. Foi o dia em que nasceram Os IncríBeis! A partir de agora, todos os meses quero reunir-me convosco, com quem me segue, com aqueles com quem partilho todos os dias pequenas histórias da minha vida, com aqueles que me dão força nos momentos difíceis, com aqueles que eu sei que gostam de mim (e só por isso eu também vos adoro) para, juntos, corrermos. Não vamos correr uns contra os outros, não vamos treinar, vamos viver uma experiência juntos, vamo-nos conhecer, vamo-nos rir, vamos dar abraços e também vamos dar uma corridinha, porque também é para isso que vamos estar ali.

Como cada pessoa tem uma preparação física diferente, ritmos de corrida diferentes e metas a atingir diferentes, temos gente a acompanhar os IncríBeis que quiserem ir mais rápido ou mais devagar. O mais importante destas manhãs é mesmo a promoção do bem-estar, o convívio. O que realmente importa é assumirmos o compromisso e sentirmo-nos IncríBeis. E para mim esta sensação existe pelo  facto de ter um objetivo simples logo pela manhã: ver o dia a nascer a fazer uma das coisas que mais amo, e na melhor companhia.

 Tudo isto aconteceu no passado sábado, dia 6 de outubro, o dia em que nasceu o novo grupo de corrida do País, um grupo de gente IncríBel que corre ou quer começar a correr pela sua saúde, pelo bem-estar que a corrida gera em nós ou porque gosta de conviver com gente que está na mesma onda.

 No primeiro dia, houve quatro pacers, ou seja, quatro pessoas escolhidas por mim para acompanhar os corredores a diferentes ritmos. Um foi a 4’30’’, outro a 5’00’’, outro a 5’30’’ e o último a 6’00’’. Para quem desconhece esta linguagem, basicamente, significa que cada um levou quatro minutos e meio, cinco, cinco e meio ou seis a correr um quilómetro.

Eu fui a pacer que levou os corredores a uma média de 5’00’’. Quem veio comigo entendeu bem aquilo que me move e como absorvo a energia do dia... que acabou de nascer.

O ponto de encontro foi a Torre Vasco da Gama, no Parque das Nações. Combinámos às oito da manhã, e, só por isso, achei que poderia aparecer muito pouca gente. Quando percebi que éramos mais de 50, fiquei mesmo muito feliz. Senti-me tão luminosa. Lá partimos, ninguém desistiu, sinto que toda a gente viveu uma experiência diferente e que soube tirar partido daquela manhã de sábado, que sinto que foi muito agradável para todos. Estou profundamente grata pelo vosso amor à corrida, ao exercício, mas também aos que me disseram que vieram pela minha energia. Muito obrigado.

 Acabei por passar o resto do dia a trabalhar — aliás, desde a Maratona de Berlim que não tenho parado para ter tempo para mim. Mas naquele dia valeu-me a corrida. Foi o meu escape, a minha luz. E isso devo-o, sobretudo, a vocês.

 Fica aqui a minha partilha desta linda manhã de 6 de Outubro. Para aqueles que não puderam ir, não se preocupem: em breve anuncio o próximo encontro dos IncríBeis. Podem deixar-me sugestões de dias, horas, locais e quilómetros que devemos fazer, porque este grupo não é meu, é nosso.

Quanto aos abastecimentos, não se preocupem: água alcalina estará sempre disponível.

DSC00365.jpg

Espreitem as fotos que tirámos no dia da corrida. Compartilhem :

Receita. Aprendam a fazer a sopa de miso que eu bebo todas as manhãs e que me limpa o organismo

Receita. Aprendam a fazer a sopa de miso que eu bebo todas as manhãs e que me limpa o organismo

Maratona de Berlim, dia 4. Tudo acaba bem quando nos sentimos bem (mesmo quando algo corre mal)

Maratona de Berlim, dia 4. Tudo acaba bem quando nos sentimos bem (mesmo quando algo corre mal)