sidemenu-retrato-IAIS.png

Malta!

Bem-vindos ao I am Isabel Silva. Escrevo sobre a minha vida, os meus alimentos, as minhas corridas, o meu Caju. Espero que desfrutem.

A minha primeira corrida de 2018

A minha primeira corrida de 2018

Curei o meu Dói Dói

Há dois tipos de Dói Dóis, a meu ver. Por um lado, a minha lesão física, fruto de uma queda aparatosa (esse desabafo partilhei neste artigo) que se traduziu numa contusão óssea e numa tendinopatia. Por outro, o meu dói-dói emocional. E neste segundo ponto falo-vos do meu medo em voltar a correr. Se pensarem bem, eu já não calço uma sapatilha para correr desde o dia 28 de Dezembro de 2017. Para uma Runner Girl é uma eternidade. Passei por tantas fases – revolta, tristeza, inércia (alguma só), resignação, depois conformismo, resiliência, paciência até chegar ao “siga para a frente” – que, apesar da paixão pela corrida, acabei por me habituar à condição do “não correr”. E isto não significa que seja mau, até porque continuei a treinar, de acordo com as minhas limitações e com o foco na recuperação, mas criei outros pontos de interesse, outros focos na minha vida e como “olhos que não vêem, coraçao que não sente", fui alimentando outras paixões na minha vida, como por exemplo, terminar o meu novo livro (que está quase disponível nas livrarias, já no próximo dia 21 de Fevereiro... Não aguento tamanha excitação), procurar uma “escola” para o Caju conhecer novos “amigos" e ser mais estimulado, escrever e ler mais, jantar fora mais vezes, cultivar mais as minhas amizades, visitar mais vezes os meus pais, entre tantas outras coisas...

E realmente percebi que, felizmente, há tantas outras coisas boas nesta vida que eu não posso nem devo esquecer. Eu amo correr pessoal! Calma!... Mas entendem o que estou a dizer, certo? E como tu fazes tudo “certinho e direitinho” e respeitas a resiliência e a paciência, chega a uma altura que depois do verbo “esperar” vem o “colher” (porque andaste a semear). “Sexta-feira vais correr 30 minutos. Tens agora de perder o medo e preparar a tua mente”, diz-me o Ricardo Paulino. O incríBel fisioterapeuta que tem cuidado de mim desde que me lesionei.

Querem saber a melhor? Por um lado, estava contente, por outro nem sabia bem o que pensar…

“Já estou tão habituada à rotina diária dos meus mais recentes treinos: elíptica durante 50 minutos (em fartlek, em ritmo constante, com carga, sem carga), treino funcional com a Filipa ou no Efit com o Luís. E tem sido tudo tão divertido! Como não sinto dor, esqueço-me da minha lesão. Como consigo suar e sair da zona de conforto (porque estimulo e desperto outros músculos e porque crio desafios em todos os treinos que faço) sinto-me feliz e preenchida. Está frio e chuva lá fora, logo não me lembro tanto de correr; faço a minha crioterapia e sinto-me tão leve e fresca que parece que nada me falta. 

Bom... Devo confessar-vos que os dias em que realmente deprimo, são os domingos. Domingo é dia de “longão”, dia de provas, dia de camaradagem e encontro de runners. Aí sim... Custa! Mas é por isso que eu vou para a beira dos pais... Procurar outro conforto – não corro na estrada mas corro para os braços dos meus pais que eu tanto amo. Entendem? Encontrar sempre uma alternativa, podemos deprimir e sofrer mas depois temos de reagir... Às vezes custa, eu sei pessoal! Mas “siga para a frente “ sem pensar muito. Quando damos por ela, “Já passou… Já passsoooooouuuuu” (é a letra daquela música de desenhos animados que todos cantam... "Senti a cena”)!

Verdade verdadinha: ESTAVA COM MEDO DE VOLTAR A CORRER, PORQUE TINHA MEDO DE VOLTAR A TER DOR... E perceber que, se calhar, ia ter de esperar mais... Mais tempo até correr. 

E aí sim eu ia ficar triste: porque estava “no terreno”, porque estava no local onde quase todos os dias corro. E sobretudo porque sabia que estava em causa a minha próxima maratona... Qual? Pois, ainda não vos disse, mas no verão passado candidatei-me a “essa maratona”. E recebi um email no mês de setembro com a confirmação: TU FOSTE SELECCIONADA PARA A MARATONA DE BOSTON!!! AI AI Aiiiiiiiii!!! Ui Ui Uiiiiiii!!!!!

 Vai ser a Bolina na incríBel PIRISKA codm toque de GÁSPEA!!! 

Assim de repente estou a pingar a rir… esculpem mas a pessoa tem de ter estes momentos. Respira… Continua…

Claro, quem coloca pressão nas coisas sou eu. Eu sei! E também sei que Maratonas há muitas e joelhos só tenho dois. Por essa razão tenho de os estimar. E acreditem que neste momento, eu estou preparada mentalmente para tudo. E durante todo este tempo de lesão e recuperação eu cresci muito como atleta e como pessoa. 

“Quem anda à chuva, molha-se"

Olhem o Nélson Évora, o Cristiano Ronaldo, a Sara Moreira, entretanto tantos outros atletas de alta competição que fazem do desporto vida... Quantas vezes já não se lesionaram e comprometerem jogos e corridas importantíssimas nas suas carreiras? Eu sou uma repórter e apresentadora de televisão que adora comunicar e esse é o meu “ganha pão”. Correr é um prazer e essa é a premissa: prazer!! Se tiver de esperar para o ter, a pessoa espera! O que tiver de ser, será. Fazer planos é ótimo, e vou continuar a fazê-los, mas aprendi a gerir melhor as minhas expectativas em relação a tudo.

Eu quero muito correr a Maratona de Boston! Vai ser IncríBel, mas eu tenho de ter “os mínimos”. E aqui falo de uma preparação base que me permita ter resistência suficiente para terminar 42.195m com prazer. Nesta fase, claro está, não estou focada na minha marca à Maratona, mas sim em terminar “em bom” uma Maratona emblemática que merece ser terminada com um grande sorriso nos lábios. Caso sinta que não vou a tempo de cumprir com o sorriso que tanto me caracteriza, então, minha gente, não vai dar. Prefiro não ir. É porque não tinha de acontecer, neste momento. É assim que eu penso.

O que é uma maratona no meio das centenas que posso fazer até ser velhinha, hei?! Isso... Há tempo para tudo, desde que haja “saúdinha”. Bom, e no meio de toda esta história, ja estou a alongar-me nos pensamentos. Há aqui conteúdo que queria falar em outros artigos... Mas tudo bem. Senti que agora fazia sentido. O Blogue é meu e partilho ao meu jeito, no momento que me apetecer. Não é assim?

ZIRIBAU in the night!!!! Yessennnnnssss!!! – são expressões que eu vou dizendo no meio dos meus pensamentos, de forma aleatória e sem um sentido especiífico... Acho importante estarem a par deste meu jeito de me exprimir.

Bom, o que eu realmente queria partilhar convosco – a minha primeira corrida deste ano. Sexta-feira, dia 9 de Fevereiro, às 10h00 iniciei a minha corrida de 30 minutos na companhia dos meus fiéis amigos de corrida: o João e o Rui. Estão sempre comigo, caraças!! Gosto tanto deles! É por isto que eu amo correr! As amizades entre corredores nunca vão morrer! São fiéis e eternas! 

Bem... Quando eu terminei a corrida, a minha alegria era tanta que eu achei mesmo que, tal como eu, eles queriam chorar de felicidade. Só que não... Tinha o Cabify à minha espera e estava com alguma pressa. Não havia tempo para isso. E depois ainda tínhamos umas “chapas” para tirar... Estas que vocês estão a ver. Ah! E eles ainda iam para a pista fazer séries. Oh MALTA!!! Séries? Velocidade?! O que é isso?! Nem consigo focar-me nisso. Agora só quero é tirar a dor completamente e ganhar resistência. Sim sim! Porque apesar de ainda não estar a 100%, estou a 90% e acredito que vou conseguir correr em Boston. Vou, não vou?! Também se não for, a vida continua! 

Não levei relógio! Vejam só! Estou mesmo aérea em relação à corrida. Para além de não ter bateria, não sei onde anda o carregador. Mas também eu sabia que eles iam correr ao meu lado e esses dois nunca se esquecem do relógio... Principalmente num treino de séries. 

E lá fomos. ComeçÁmos junto às piscinas do Jamor. 

Mal o João deu o “beep” de partida, eu comecei a correr e percebi logo que estava BEM!!! Bem para correr! BEM com B de quem tem Bontade de correr e sabe que a ligeira moinha só existe porque o joelho já não leva um estímulo daqueles há muito tempo: há mais de um mês que não corro, não salto, não faço rotação de joelho, não danço, não faço agachamentos, não estimulo os quadrícipes. Bom, na verdade o que pensei enquanto corria (com a chuva miúda a bater-me no rosto) – “eu por momentos esqueci-me que amo profundamente correr”. Que saudades que eu tinha de sentir o vento, a chuva e a frescura do ar do JAMOR. Foram os melhores 30 minutos do meu ano de 2018 (também afirmo isto porque estamos em Fevereiro, certo? Há todo um ano para curtir). Aquela sensação de liberdade que sentimos quando corremos na rua com e na Natureza. Os diferentes terrenos por onde passei: terra batida, alcatrão, sobe e desce, curvas... Cenas a acontecerem na Bida da pessoa... Pessoal! Agora lembrei-me do meu testemunho no final da Meia Maratona de Sao João das Lampas – está no meu Instagram. Eu digo isso mesmo, em jeito de emoção. Acreditam que ainda hoje, quando vejo esse vídeo, choro! Choro e penso que “esta miúda gosta mesmo de correr!!” – as coisas que eu sinto em relação a mim...

Não dei conta do tempo passar!! Passou a Buuuuaaarrrr!! O João e o Rui iam conversando de “cenas” triviais e até isso me soube bem! Aquelas conversas de aquecimento que não são nada mas, para mim, naquele momento eram tudo! Eu só sorria!! Sorria tanto que até o vento se desviava para não atrapalhar a beleza da minha expressão...

Fogo... Acabou!!! Já passaram 30 minutos! Sentia-me capaz de correr mais 10 Km. Mas não vou abusar! Calma Isabel! Muita calma nessa hora!!! Agora festeja!! Abraça os amigos, agradece, tira selfies e faz instastories... E alonga muito bem. Depois, liga ao Ricardo Paulino e segue as instruções. Agora não te “armes ao pingarelho” e não estragues o teu lindo “trabalho” ao longo deste tempo todo!! 

Mas não sentiste dor?

Não senti dor. Aprendi a distinguir dor de moinha. E dentro do universo da moinha, há aquela que é “perigosa” – porque pode piorar caso continues a correr ou aumentes a velocidade – e há a “moinha” fruto de um joelho que está adormecido e precisa de ser estimulado. E eu sinto que estou nesta segunda condição. E por isso estava feliz. E neste caso, a premissa é – “Keep Going”. Fiz a crioterapia depois da corrida e estou a dar descanso, como agora – sentada em frente ao meu computador, na minha sala, com o Caju à beira dos meus pés (a dormir) a partilhar todas estas emoções convosco!!

Hoje não corro. Domingo tenho 40 minutos! Vamos lá ver! Durante a tarde tenho o Somos Portugal em Torres Vedras! Vai ser a loucura! Mas eu não vou ser louca ao ponto de rasgar o paninho na festa do Carnaval, sabendo que tenho um dói dói quase curado... Rumo à Maratona de Boston, mas sobretudo, rumo às corridas que quero fazer ao longo da minha vida.

Estou no foco! Motivada e Consciente! E Feliz! Eu quero é estar Feliz! Eu gosto é de me sentir Feliz a Correr!! Só isso importa! Obrigada por estarem ao meu lado -– por me acompanharem e por lerem este meu desabafo! Sinto-me incríBel quando faço estas partilhas!

Pessoal!
I Lóoooobe You!!

 
Marmitar no Somos Portugal

Marmitar no Somos Portugal

Camiseiro largo, se for curto…

Camiseiro largo, se for curto…