Fisioterapia para voltar a correr e a saltar

 

Tudo para ficar toda Athletika

Recuperar a 100%, e só depois voltar a correr. A minha contusão na rótula tem sido um verdadeiro teste à minha paciência. Ficar bem novamente, e do jeito que eu quero ficar (sem mazelas no futuro), demora tempo. E o tempo é para respeitar, caso contrário volto à estaca 0, ou até mesmo ao -1. E não vale a pena. Estou feliz porque consigo fazer o meu dia-a-dia sem limitações: andar, passear, trabalhar, nadar, treinar, viajar, etc. A única coisa que ainda não consigo é dar impacto – saltar, correr ou mesmo subir escadas. Sinto algum desconforto. Depois desta sessão de fisioterapia, o Ricardo Paulino disse-me que podia correr 15 minutos no dia seguinte. E lá fui eu. Consegui correr. E é verdade que a dor não aumentou, mas também é verdade que não passou.

Mas afinal, que dor é esta que eu ainda sinto? Diz-me o Ricardo que é fruto da contusão, porque ainda está pisado e porque o meu corpo já não tem impacto desde o dia 28 de Dezembro. E não deixa de ser verdade. Eu estou quase “boa” do meu dói-dói. Mas há uma coisa que eu não permito (por mais pequena e quase insignificante que seja): correr com qualquer tipo de dor. Uma coisa é a dor que nasce do cansaço de uma prova, porque estás a sair da zona de conforto. Outra é a dor física de algo que ainda não está completamente curado. E neste último caso, eu nunca arrisco.

Conheço muito gente que treina com dor. Eu não consigo e nem quero. No meu caso: “O que seria?!... Já me basta as possíveis dores de cabeça do meu trabalho... Quando vou correr, é para ter prazer. Se não tenho, então não corro”. Entendem?... Para mim, pelo menos, é o que faz sentido. Estou a recuperar e sei que vou ficar impecáBel. Até lá, continuo no foco da recuperação. E estou muito tranquila agora. Já aprendi a lidar com esta limitação. É verdade seja dita, esta tranquilidade também existe porque sei que estão a tratar bem de mim. Estou com quem confio. E isso é o que basta para serem os melhores. 

No meio de tudo isto, levo tudo ao jeito da minha personalidade – “Relaxa, Encaixa e Segue em Frente”. E a prova desta minha premissa está neste vídeo. Este é um dos vídeos das minhas sessões de fisioterapia. São todas assim. A Malta tem de se distrair. E a Malta tem de rir. Rir é o melhor remédio... E tirar a carga negativa da lesão também é meio caminho andado na recuperação. Muitas das vezes, grande parte dos problemas está na cabeça! 

Podem acompanhar as minhas sessões de fisioterapia no meu Instagram e nas minhas Stories.

Deixem aqui as vossas sugestões para possíveis vídeos. Estou sempre atenta ao que me pedem. 

Até já!

 
 

EDIÇÃO DE SAMUEL COSTA