Eu ADMIRO aqueles e aquelas que NUNCA desistem

 

4x1' desta brincadeira que me levou ao limite

"Cheguei ao fim da quarta série completamente esgotada! Despejei o tanque! Esgotei as reservas! Não dá para mais" – é mesmo assim que o teu cérebro pensa quando estás quase a chegar ao final do treino. Mas aquele 'quase' é profundamente desafiante. Sabes porquê? Porque na realidade, tu até tens mais um pouco para dar. A "cena" é que tu ainda não sabes.  Porquê? Porque o teu cérebro não deixa. E é precisamente aqui que o corpo e a mente começam a mudar. Esta última série é aquela que vai fazer a diferença: porque vais desafiar o corpo, vais claramente melhorar a performance (e sentes isso nos treinos seguintes) e depois porque... Meninas!! 


Paaaaliiiiizzeeeeee!!!!
 

E este argumento que vou agora enunciar é bastante válido e estimulante: "fica podendo na área"! Eh pah... Adoro esta expressão. E ela "dita" em vez de "escrita" tem muito mais impacto e tem muito mais graça! (Digam em voz alta com pronúncia do Brasil... Isso!! com atitude) Olhar ao espelho e ver uma perna tonificada, um "músculo nadegueiro" rijo e sem tremeliques, uma barriga trincada e sentires-te solta e leve ao mesmo tempo é só espetacular! Muito mais do que para os outros: é incrível para nós!!! Nós andamos aqui a treinar e nós conseguimos resultados. Porque nós trabalhamos com muita qualidade. E isso dá uma auto-estima "do caraças". Porque depende de nós. E nós estamos a conseguir!!

 
 

Bom, e tudo isto para chegar a um ponto: depois da Maratona de Sevilha, voltei aos meus treinos funcionais com a Filipa (a minha PT que eu tanto adoro é que entende tão bem este meu jeito de treinar). Na preparação da Maratona, apesar de também fazer este tipo de treino, o foco era sempre a corrida. E tudo girava à volta do mesmo. E isto significa que, se por um lado fiquei "máquina" na corrida (pelo menos era assim que me sentia, à minha escala), por outro lado, perdi resistência, força em outro tipo de exercícios que outrora, sim... Outrora, eu fazia-os tão bem. É frustrante sabem... Perceber que já fiz aquele "lunge" dinâmico "tipo pluma" e que agora essa realidade está distante.


Por agora!!!! Eu chego lá.
 

Bom, duas vezes por semana tenho sempre treino de circuito com a Filipa. Agora é o que me está a apetecer.  E neste dia ela levou-me ao limite! Fiz um dos melhor treinos, a nível de exigência mental, deste ano. E tudo porque eu disse dois dias antes: "Filipa, vou testar o novo modelo de soutien de desporto da Triumph, o Triaction. O André vem fotografar e eu quero dar tudo!!! Pensa no circuito de treino e falamos na quarta."

 
 

Triaction by Triumph chega cá a casa
 

E foi mesmo. Tinha na portaria uma bela caixa cinzenta com o meu nome! Abri e lá estava o modelo. 70B, para que saibam! É o que é! Dá imenso jeito esta minha característica para as minhas corridas e outros treinos de impacto. De qualquer das formas, agora que já fiz o treino, posso assegurar que, mesmo que tivesse copas acima também não seria um problema: este Triaction garante um suporte extremo e reduz a oscilação do peito em 77%. Segura bem e dá máxima estabilidade em treinos de elevada intensidade. Não dei por ele durante o treino. Outro ponto a considerar é o facto de "não arranhar". Com o suor, por vezes, crio algumas feridas na zona das costas e peito, o que não foi o caso. E parece-me que também isso não será um problema. O top é suave. E depois tem aquilo que nós também valorizamos: é giro! E eu adoro o pormenor rosa nas costas - discreto, simples mas com pormenor.

Querem saber o melhor?

Até ao final do mês de Março, na entrega de um soutien antigo ou na compra de um soutien Triaction, a Triumph oferece 10€!!!

Agora, a resposta à pergunta do meu título: admiro de facto! Porque desistir é fácil. Principalmente quando custa. Para mim, foi muito difícil fazer este treino. Provavelmente daqui a um mês, se eu continuar a treinar com este foco, já irei precisar de outros exercícios mais desafiantes, mas este circuito de 50 minutos foi muito duro. Obrigou-me a sair da zona de conforto em todos os momentos. E tudo isto, e aqui a Filipa não vacila, porque a duração de cada exercício também faz a diferença. Talvez se fizesse 30 segundos de cada, eu não me sentiria tão esgotada como me senti. 

 
 

Wall ball + push up com rotação + lunge dinâmico + slam ball + walking lunge
 

Tudo isto 4X1 minuto é MUITA fruta. Na segunda série já me sentia no limite. Já estive claramente melhor na execução de muitos deles (com mais leveza e velocidade), mas o "que interessa – e digo isto imensas vezes no treino para me motivar – é fazer bem, não é Filipa?!" Ela diz que sim e eu, não me perguntem porquê, sinto-me super aliviada.

E interessa outra coisa: não desistir!! Podes ser mais lenta, mas não tem mal. Vai no teu ritmo e cumpre com o compromisso que tinhas no início do treino. Isto não é a nossa vida. Não nos paga as contas, por isso, temos de ter prazer. E esse prazer é com o tempo. E enquanto esse tempo não chega, vamos continuar o nosso foco, ao nosso ritmo, com muita calma nessa hora!! E com um grande sorriso nos lábios.

...O que seria desfilar na praia e não me sentir bem com este corpinho que eu tanto estimo!

 

Fotografias de André Nogueira

Este post foi patrocinado pela Triumph.